sexta-feira, 22 de maio de 2015

Entrega do guia na Europa

Já espalhei a notícia nas redes sociais mas faltou colocar aqui: agora tenho exemplares disponíveis do Guia de Londres para mandar para Europa! Antes a entrega era limitada ao Brasil, e alguns amigos e leitores que moram do lado de cá tinham comentado que queriam - então aproveitei a vinda dos meus sogros (e em breve dos meus pais) para 'transportar' uma leva de guias.

Pode fazer seu pedido tranquilamente através do PayPal clicando aqui (ou entre em contato comigo se preferir depósito/transferência bancária, mas em conta no Brasil) que eu mesma colocarei no correio (e se quiser com assinatura/dedicatória é só pedir!).

Relembrando: o guia custa R$54,90 (a versão eletrônica custa R$39,90 e pode ser comprada aqui, você recebe o link para baixar o PDF imediatamente no seu email). Se você quer saber mais sobre o que vai encontrar no meu Guia de Londres, é só clicar aqui.

Guia de Londres

terça-feira, 19 de maio de 2015

5 pequenas alegrias do dia a dia em Londres

1. Juntar pontos suficientes no cartão da Boots pra comprar alguma coisa útil
Eu já disse isso antes: aqui ninguém tem carteira de identidade, mas todo mundo tem cartão da Boots - a rede de farmácias mais legal do mundo! Possivelmente você terá o seu antes mesmo de ter o seu NI (National Insurance, vai no Google porque tô com preguiça de explicar). Nunca tire o seu cartão da Boots da bolsa - você nunca sabe quando irá precisá-lo! A cada compra você vai arrecadando pontos, e chega um dia que você tem pontos suficientes pra comprar alguma coisa! RÁ! Que alegria que é descobrir que dá pra comprar um xampu e um pacote de absorventes com os pontinhos que você arrecadou comprando outros 10 potes de xampu e 25 pacotes de absorventes.

2. Fazer self check out no supermercado sem a intervenção de algum funcionário
Lembro que quando eu cheguei aqui pensei: uau, que civilizado esse negócio de nós mesmos passarmos nossas compras no caixa. Que incrível, que coisa avançada. Esse pensamento durou exatamente 15 segundos, quando a maquininha deu erro. Unexpected item in the bagging area. Remove item to continue. Eu te desafio a passar pelo self check out sem precisar da ajuda da pessoa que trabalha no caixa convencional. O dia que isso acontecer, parabéns! Você experimentou uma alegria da vida em Londres.

3. Acordar e ver a notícia de que o transporte público está funcionando perfeitamente 
'There is a good service in all the London underground' é música para os ouvidos dos trabalhadores londrinos que utilizam a rede de metrô da cidade diariamente. Eu sei que o nosso transporte público é bom (pagamos caro, muito caro por ele), mas quando você o utiliza dia sim outro também, a probabilidade de enfrentar problemas toda semana é bastante alta (e olha que estou apenas falando do metrô, não posso nem começar a falar dos trens...). Então, todo dia antes de sair de casa eu vejo as notícias pra saber se terei uma manhã tranquila ou estressante. E quando aparece o quadro das linhas sem NENHUM problema.... Ah, alegria!!!!

4. Achar um caminho sem baldeação
Eu sei, eu sei, sempre acabo colocando muitos ítens relacionados ao transporte público nesses posts de top 5. Mas não dá pra escapar, já que é parte do dia a dia da gente aqui. Temos muitas linhas de ônibus, metrô, trem, até barco e bondinho! Ou seja, dá pra chegar em praticamente todos os cantos da cidade utilizando o transporte público, mas o desfio é fazer a menor quantidade de baldeações possível ou evitar qualquer baldeação. Pode perguntar pra qualquer londrino: todo mundo prefere prolongar o caminho pra evitar ter que descer, trocar, subir... Conhecer a rede de transporte bem o suficiente pra conseguir bolar um percurso direto e reto é pra poucos... e pros muitos, tem sempre o City Mapper.

5. Descobrir que os pubs já estão vendendo Pimm's
Mesmo que você nem seja fã de Pimm's (tolinho), o fato de que a birita dos deuses está a venda nos pubs significa que dias melhores virão! Chega de inverno, dos brasileiros reclamando em todas as redes sociais que não aguentam mais o frio, e dos dias curtos. A temperatura pode até oscilar - um dia faz 23 no outro 13 - mas ninguém mais usa casaco pesado, afinal, tem Pimm's no pub!

Para ver todos os posts da série Top 5, clique aqui

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Retornando...

Eu não consigo compreender os workaholics. A turma do meu nome é trabalho e sobrenome é hora extra. Como, como, COMO é possível que toda a sua vida gire em torno do seu trabalho? Não entendo.

Preciso trabalhar, faço bem o meu trabalho, adoro o dinheiro na minha conta todo mês, mas não tenho problema algum em me desligar totalmente da vida profissional. Faço isso muito rápido. Não preciso nem de um dia. Basta um almoço com uma amiga pra eu já ter esquecido completamente do que me espera na minha mesa.

Voltar de férias é difícil. Eu tenho que deixar uns bilhetes pra mim mesma pra conseguir lembrar até a senha do computador. Tenho que escrever exatamente o que preciso fazer quando voltar.

Hoje meu dia foi assim, riscando coisas da lista 'o que fazer assim que voltar de Munique'. Agora meu foco é o dia 18/6, quando saio de férias (grandes!!) novamente. Até lá, muitos ítens pra riscar ainda!

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Munique

De volta a Alemanha pela terceira vez esse ano, mas a primeira sem ser a trabalho! O motivo é especial: os pais do Martin estão nos visitando, e resolvemos voltar a cidade onde eles moraram há 32 anos. Pra mim, porém, é a primeira vez nessa região do país.

Estamos apenas no segundo dia de uma semana inteira por essas bandas (vamos alugar carro por 3 dias para conhecer outros lugares que ficam aqui perto), e até agora demos sorte com o tempo. O sol deixa a cidade mais bonita e muito mais animada.

Inclusive já visitamos o prédio onde eles moraram e até a escolinha onde o Martin estudou quando tinha 2 anos - foi hilário refazer algumas fotos dele exatamente no mesmo lugar de 32 anos atrás.

Ah! E já fomos correr. Primeira vez correndo fora de Londres, fiquei muito orgulhosa (tô muito inglesa, sofri um monte com o calor).


quinta-feira, 7 de maio de 2015

Um ano correndo

Eu não sei exatamente a data, mas foi entre abril e maio de 2014 que decidimos voltar a correr. Quer dizer, no começo a gente mal corria, eram mais trechos de caminhada - e é até difícil acreditar que finalmente conseguimos incorporar as corridas no nosso dia a dia (depois de muitas tentativas nesses mais de 6 anos aqui).

Foi devagar. Como eu disse, no começo a gente caminhava mais que corria. Aí chegou o dia que conseguimos correr mais de 1km seguido. E então 2, 3, 4, 5, 6... hoje por exemplo eu fiz 7.5km. Já fizemos duas corridas de 10km e a minha próxima (que infelizmente o Martin não vai participar, é só para mulheres, e vou fazer com a minha amiga Renata) é em junho.

Acho que o que mudou dessa vez foi a persistência. Um dia eu simplesmente decidi que precisava voltar a me exercitar, e teria que deixar a preguiça e mau humor de lado. Chegar em casa e se trocar é a pior parte. Uma vez que a gente começa a correr, não sinto mais aquela vontade imensa de parar, muito pelo contrário: tenho vontade de ir mais rápido (fico mega decepcionada quando não consigo melhorar o tempo) e mais longe. Mas é claro, a evolução é lenta, tem que ter paciência!

O 'problema' de correr é parar. Por exemplo, no começo de abril ficamos 10 dias sem ir - por um monte de motivos (nada de justificativas, os motivos eram reais: trabalho, principalmente) - e o retorno foi sofrido. Tem que dar um passo pra trás, é decepcionante não ter o mesmo pique por causa de 10 míseros dias. Recuperar dá tanto trabalho, que agora a gente tem que ir de qualquer jeito, o que vira motivação também!

Pra vocês terem uma ideia, nós decidimos que vamos correr quando formos viajar semana que vem. Vamos ficar uma semana inteira fora, e antes a gente nem cogitaria fazer isso - férias são férias! Mas né, agora que sabemos que o corpinho de (quase) 35 não pode parar (senão para mesmo), não temos muita alternativa,

Outro incentivo são os equipamentos: além das roupas, tem tambem os gadgets que mostram toda a evolução e coletam dados da corrida. Eu finalmente resolvi comprar um relógio especializado da Garmin (comprei um pro Martin também). O bichinho é caro, e como até eu desacreditava que ia virar corredora, estava adiando essa compra. Mas antes tarde do que nunca! Agora, correr com o relógio me faz querer bater meus recordes pessoais, nem que seja 50 metros a mais a cada corrida, ou 5 segundos a menos por kilômetro.

Por último, os resultados na rotina: correr definitivamente faz bem para o sono. Desde que começamos, tenho dormido muito melhor, e caído no sono mais rápido. Não sou um Martin, que tem o invejável dom de dormir quando ele bem entender onde ele bem entender, mas isso já é uma grande evolução. No corpo, também vi resultados: dei uma secada (não emagreci horrores, jamais serei magra), e poderia estar mais magra se tomasse mais cuidado com alimentação. Mas eu amo comer, então não brigo mais com isso. Vou correndo pra compensar, tentando ser saudável aqui e ali, mas tomo minha cidra e como meu hamburguer sem culpa.

Ano que vem eu escrevo um update de 2 anos ; )

domingo, 3 de maio de 2015

A pressão do verão

Basta a temperatura passar de dois dígitos pelos lados de cá e todo mundo já está abandonando casacos e tomando Pimm's no pub - depois de meses frios, nada mais natural do que querer aproveitar ao máximo os dias longos, certo?

Certo. Verão é maravilhoso, Londres com céu azul e sol é imbatível, mas.... com a 'vibe' verão vem também a pressão do verão. Uma enxurrada de eventos e acontecimentos por toda cidade. Todos os dias, tem sempre alguma coisa pra fazer - e pode ter certeza de que você se sentirá a pessoa menos cool do mundo quando olhar seu feed do Instagram e ver que todo mundo que você segue que mora aqui está fazendo algo mais legal que você.

É festival, é ópera ao ar livre, é mercado gastronômico. TUDO. AO MESMO TEMPO. AGORA.

Tenho a sensação de que ficar em casa é o maior dos crimes. Bate aquele desespero de 'meu deus preciso fazer isso, ir naquilo e conhecer aquilo outro'. Você é bombardeado de informações: quase todas os cartazes de propaganda no metrô tem relação com algum evento de verão.

Olha, tem que ter pique. Londres normalmente já é a mil por hora, nessa época então, parece que o mundo todo veio pra cá - pra ver e ser visto!

(E se você quer saber qual é a coisa mais legal pra fazer em Londres nos meses de verão, compre o meu Guia de Londres e consulte o capítulo 'Londres mês a mês'!) #merchandescarado

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Os segundos de abril

Sabe quando você tem um branco do tipo 'que dia é hoje mesmo'? Então, ontem no trabalho eu fiz essa pergunta pra coleguinha ao lado, e falei: 'que  dia é hoje? 24, 25?'

Será possível que abril teve mesmo 30 dias? Não foram 15 não?

Esse mês teve Copenhague (a lazer), Milão (a trabalho), melhor amiga que teve bebê, e as coisas boas e rotineiras de sempre. 



Simbora pra maio!