domingo, 20 de julho de 2014

Artesanato italiano

Durante as nossas férias na Costa Amalfitana foi preciso muito auto controle pra não voltar com uma mala cheia de peças de cerâmica. Existem várias fábricas (grandes e pequenas) na região e consequentemente centenas de lojinhas por todos os cantos.

Mas, chegando em Sorrento, que foi nossa última parada antes de voltar para Londres, encontramos um outro tipo de artesanato local: marchetaria. Vimos muitos ateliês pelo centro antigo da cidade, todos vendendo peças maravilhosas, especialmente caixinhas e quadros. Entramos em um desses ateliês e de cara eu não consegui tirar os olhos de um quadro que reproduzia a paisagem de Positano (as casas incrustadas no penhasco com o mar a sua frente), onde havíamos estado nos dias anteriores. 

O artesão, um senhor muito simpático chamado Michelli, estava por ali e nos mostrou um pouco do processo, que requer um nível de detalhe absurdo. O filho dele gerencia o ateliê e também faz as peças. É um negócio de família mesmo.


Como o Martin estava 'me devendo' um presente de aniversário, compramos o quadro de Positano. Mais um pedaço de parede coberto aqui em casa, com a vantagem de sempre nos lembrar de uma semana incrível nesse pedaço da Itália.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

100 dias, 100 segundos

Continuando com a tarefa de filmar 1 segundo por dia, aqui está a compilação de 100 dias (completados ontem). Tá ficando tão legal!



O Martin tambem fez a compilação dele (ele começou 1 dia depois de mim, portanto completou os 100 dias hoje), aqui está:



Rumo aos 365 dias!

sábado, 12 de julho de 2014

Holiday blues

Difícil voltar de férias.

Entre todos os lindos lugares que visitamos, está esse aqui:



Ainda bem que tenho o restinho de sábado e o domingo pra fazer a preparação psicológica para o retorno do trabalho.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Leitura: Everyday Sexism, Laura Bates

escrevi aqui no blog sobre o projeto Everyday Sexism e quem me acompanha nas queridas mídias sociais sabe como esse tema mexe comigo. Por isso, quando a Laura Bates (fundadora do projeto) anunciou a publicação de um livro, eu fui correndo comprar minha cópia.

O livro é basicamente um apanhado geral de todas as questões levantadas ao longo desses quase 2 anos de projeto. Abrange sexismo em diversas instâncias - dos insuportáveis assovios e cantadas de rua ao assédio sexual, estupro e FGM (female genital mutilation) - e categorias: no trabalho, na rua, na escola, na universidade e por aí vai.

As estatísticas que abrem cada capítulo somadas aos milhares de tweets e declarações pessoais enviadas ao site do projeto são o material base que a Laura usou para desenvolver o livro. Apesar de eu vestir a camisa femisnista já há bastante tempo, esse livro me ajudou não apenas a entender melhor como a sociedade vê (ou não vê, na maioria das vezes) esse problema, como também explicar pra todo mundo o que é o feminismo e o que cada um pode fazer pra ajudar a diminuir a desigualdade de gêneros e, consequentemente, derrubar o sexismo.

Olha, não é uma leitura fácil. Não no sentido de entendimento (ela escreve de forma clara, como se fosse em uma conversa), mas no que diz respeito aos fatos. Ler algumas declarações e se identificar com alguma delas é as vezes um processo doloroso, mas necessário para que a gente entenda que não há vítima que seja culpada e que é preciso reclamar o direito ao nosso corpo sem medo de constranger a sociedade.

Recomendo muito. Mulheres, homens, todo mundo. O sexismo é um problema quase invisível e é um absurdo que muita gente faça vista grossa. Como diz a Laura: ENOUGH IS ENOUGH.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Um ótimo dia

Tive um ótimo dia, hoje.

Passada rápida no escritório de manhã, e depois RUA! Entre um evento e outro, fiz essa foto: (que postei no Instagram do Aprendiz de Viajante - já segue?)

Ah, se todos os dias fossem assim!

(ps.: também ganhei um iPad, o que contribuiu para o o dia de hoje ter sido um sucesso)

sábado, 21 de junho de 2014

A copa aqui

Alguns amigos e familiares me perguntaram como anda o clima de copa por aqui. Claro, agora com a Inglaterra eliminada e humilhada, é como se não existisse copa. Mas antes disso, eles ja estavam desencanados. Ninguém tinha a menor esperança de um bom desempenho da seleção, e o que mais me chamou atenção foi a falta de bandeiras nas janelas e varandas. Aqui no meu prédio a única bandeira é a minha, do Brasil. 

Apesar de todos os jogos serem transmitidos ao vivo e muitos bares e pubs promovendo a copa, não há uma comoção geral. Empolgação zero. Eu lembro que em 2010 estava um pouco mais animado, mas desde então os torcedores tem se decepcionado com Rooney e sua turma. 

Sei lá, de repente o povo está mais preocupado em aproveitar o tempo bom nos parques, porque vai saber até quando o calor fica por aqui, certo?

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Não tenho tempo

'Tô sem tempo', 'não tenho tempo', 'tá super corrido': eu nunca achei que ia falar uma dessas frases (pois é, mordi a língua), mas ultimamente eu não tenho visto o tempo passar. Fico imaginando como fazem as pessoas que tem filhos. Sério, como vocês fazem?

Não tô querendo fazer drama, acho que a vida de todos meus amigos é assim. Mas só esse ano que me dei conta que qualquer coisa 'extra' que eu queira fazer acaba atrapalhando minha escala. Sempre tem algo que sai prejudicado: o blog (esse ou o Aprendiz), a alimentação, a diversão, a casa.

Foi-se o tempo que eu deixava a casa arrumada. Hoje em dia tem sempre algo zoneado, ou uma tonelada de roupa de lavar, ou roupa secando no varal há uma semana. 

Depois que resolvemos voltar a correr, a coisa ficou ainda pior: o tempo que eu dedicava 'ao lar' e ao blog foi cortado pela metade. Ainda bem que vou trabalhar de transporte público, só assim consigo manter a leitura.

Só uma coisa resolve. Aliás, duas: megas sena e euro millions. O que vier tá bom.